VoltarHerpetofauna da Fazenda San Francisco - Pantanal do Miranda MS

Herpetofauna da Fazenda San Francisco - Pantanal do Miranda MS

Este Projeto foi coordenado pelo Professor Doutor em Zoologia Franco Leandro de Souza (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS) e é composta por:


Fernando Ibanes Martins: Biólogo, Mestre em Ecologia e Conservação e aluno de doutorado;
Liliana Piatti: Bióloga e aluna de mestrado;
Paulo Landgref Filho: Biólogo e aluno de mestrado.


Todos fizeram parte do Programa de Pós-graduação em Ecologia e Conservação da UFMS. Conta ainda com a colaboração dos Mestres em Ecologia e Conservação Camila Aoki e Franciéle Pereira Maragno.

Informações sobre a Herpetofauna O nome Herpetofauna é dado ao conjunto de animais formado pelos anfíbios (sapos, rãs e pererecas) e pelos répteis (lagartos, cobras, jacarés, cágados e jabutis). Estes organismos são importantes para os ecossistemas em diversas partes do mundo.

São fundamentais nas cadeias alimentares, controlando populações de várias espécies de invertebrados e também servindo de alimento para animais maiores.

São considerados importantes indicadores de qualidade ambiental por dependerem muito do ambiente para realização de suas atividades diárias (por ex.: alimentação e reprodução). São também de fácil observação e suportam a presença de pesquisadores.

Comparado com outros biomas como Mata Atlântica, Mata amazônica e Cerrado, o Pantanal não possui um número muito grande de anfíbios e répteis, mas a disponibilidade de áreas abertas e alagáveis favorece a grande abundância e a visualização desses grupos na região.

Nos últimos anos, as pesquisas sobre a herpetofauna (fauna de anfíbios e répteis) do pantanal se intensificaram, mas ainda faltam informações básicas de muitas espécies.

Informações sobre o Projeto Herpetofauna

As pesquisas que têm sido realizadas na Fazenda São Francisco buscam descobrir quantas e quais espécies podem ser encontradas na área e quais são os ambientes que favorecem a ocorrência de cada espécie.

Outro ponto importante da pesquisa é que ela procura entender melhor como esses grupos se comportam frente à alteração do ambiente, estudando a ocorrência e reprodução dos anfíbios na área de plantio de arroz irrigado.

Áreas de agricultura podem limitar a existência de espécies nativas pelas modificações que causam no ambiente. Contudo, algumas práticas agrícolas podem oferecer condições parecidas com as naturais e, pelo menos aparentemente, permitir a existência de algumas espécies em suas áreas. O arroz irrigado á um exemplo de cultura peculiar porque, apesar de promover a alteração do ambiente, ela mantém disponível em grande parte do ano áreas alagadas que são importantes para os répteis e principalmente para os anfíbios.

Metodologia: Para tentar responder as perguntas do projeto, estão sendo realizadas amostragens na Fazenda São Francisco desde abril de 2007, com término previsto para abril de 2010. As campanhas são realizadas mensalmente, durante cinco dias, onde a algumas áreas da fazenda previamente selecionadas são vasculhadas na busca de anfíbios e répteis. As coletas são realizadas durante o dia e a noite, onde são anotadas informações como nome da espécie, local que se encontra e data do registro.

Até o momento foram encontradas aproximadamente 40 espécies de anfíbios e répteis, com destaque a muitas espécies de rãs que ocorrem na plantação de arroz. Atualizado em: março/2008

Abaixo descrição dos três Projetos.

Apoio:

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq

Fazenda San Francisco

Fotos: Camila Aoki, Liliana Piatti, Paulo Landgref Filho
DETALHES SOBRE CADA PROJETO EM REALIZAÇAO:

O projeto Herpetofauna da Fazenda San Francisco é composto de três sub-projetos conduzidos simultaneamente: Herpetofauna do agro-ecossistema da Fazenda San Francisco

Têm como objetivo verificar quais espécies de répteis e anfíbios ocorrem em toda a área da Fazenda San Francisco e quais estão presentes em cada uma das diferentes fisionomias que a fazenda abrange (áreas naturais, áreas de pastagens e áreas de plantio de arroz irrigado). O estudo também procura responder se a presença de certas espécies da herpetofauna está ligada à existência de componentes chaves no ambiente como bromélias, arbustos, área de mata fechada, área com alagamento sazonal, entre outras características físicas do ambiente.

Comunidade de anuros na área de arroz irrigado

Têm como objetivo verificar quais espécies ocorrem na área de plantio de arroz irrigado, e como a abundância das mesmas variam durante o ano. Os resultados dessa pesquisa pretendem mostrar quais espécies de anuros não são toleráveis à modificação da área natural e quais podem se beneficiar da área de plantio. Pelo fato de a pesquisa acompanhar todo o ciclo de plantio de arroz, os resultados poderão apontar quais são as praticas agrícolas rotineiras que possivelmente mais interferem na sobrevivência e ocupação da área pelos anfíbios anuros.

Reprodução dos anuros na área arroz irrigado

Têm como objetivo verificar quais as espécies que, além de ocuparem a área de plantio de arroz, são capazes de se reproduzirem ali. A capacidade de reprodução no local é uma das características fundamentais para que as espécies de anfíbios possam estabelecer populações sustentáveis em certa área.

Além de identificar o período de reprodução de cada espécie, o estudo focará na reprodução de uma espécie de perereca (Hypsiboa punctatus) na área de arroz, identificando quais são os meses em que a reprodução dessa espécie ocorre, qual é local utilizado pelos machos para cantar e atrair as fêmeas, onde os ovos são depositados, entre outros aspectos reprodutivos importantes que serão observados.


Foto de Animais / Fauna do Pantanal. Fazenda San Francisco - Pantanal do Miranda - MS - Brasil.