VoltarComparações entre taxas de encontro de mamíferos de médio e grande porte em focagens noturnas

Comparações entre taxas de encontro de mamíferos de médio e grande porte em focagens noturnas
Projeto: "Comparações entre taxas de encontro de mamíferos de médio e grande porte em focagens noturnas, em dois períodos sazonais, na Fazenda San Francisco (Pantanal, Miranda – Mato Grosso do Sul)"  - Dissertacao de Mestrado em Ecologia e Conservaçao da UFMS, Mestre: Rodrigo Teribele - 2006/2007

Introdução - A focagem noturna é uma atividade realizada no mundo inteiro como forma de procura ativa de diversas espécies de animais. Além de auxiliar em pesquisas científicas, também é utilizada no meio turístico para a observação de espécies ativas nesse período. Na fazenda San Francisco (Pantanal de Miranda-MS), além de outras atividades turísticas, a focagem noturna é realizada em média de cinco a seis vezes por semana. Com isso, o objetivo desse trabalho foi acompanhar as focagens noturnas realizadas com os turistas nessa fazenda para fazer o levantamento das espécies de mamíferos de médio e grande porte que ocorrem na área. 

Materiais e métodos
 - Três áreas da fazenda foram definidas, dependendo do uso da terra dado: a) área de arrozal, b) pecuária e c) reserva. As localizações das espécies foram georreferenciadas e plotadas sobre uma imagem de Satélite CBERS-2 (sensor CCD). Com os dados foram comparadas as taxas de encontro de cada espécie observadas durante as estações de cheia e seca e a diversidade para as três diferentes áreas. Foram realizadas 21 coletas sendo 10 na cheia e 11 na seca. Ao todo, foram percorridos 540 km (270 km em cada uma das estações), sendo 280 km na área de cultivo de arroz, 185 km na área de reserva e 75 km na área de pecuária. Foram observadas quinze espécies de mamíferos de médio e grande porte das quais cinco ocorreram apenas na seca. Doze das quinze espécies foram observadas na área de reserva, nove na região do arrozal e o mesmo número na área de pecuária

Resultados e discussão -
 A maior diversidade observada foi da área de reserva depois na área de pecuária e, por fim, na área de arrozal. Além disso, na maioria das observações feitas na região de arrozal às espécies estavam próximas a áreas de mata (menos de 350 m), com exceção de capivara H. hydrochaeris, mostrando a importância das bordas de mata. As densidades, calculadas através do programa DISTANCE, na cheia e na seca para as diferentes espécies foram as seguintes: cervo-do-pantanal (Blastocerus dichotomus) 0,273 ±0,080 indiv./km2, 0,301 ±0,088 indiv./km2; capivaras (Hydrochoerus hydrochaeris) 12,965 ±2,081 indiv./km2, 28,959 ±5,449 indiv./km2¬¬¬¬; lobinho (Cerdocyon thous) 0,919 ±0,306 indiv./km2, 2,034 ±0,621 indiv./km2 e jaguatirica (Leopardus pardalis) 0,428 ±0,052 indiv./km2, 0,516 ±0,149 indiv./km2. A taxa de encontro de tamanduá-bandeira Myrmecophaga tridactyla na cheia foi de 0,007 indiv./km e na seca foi de 0,140 indiv./km sendo que só foi possível calcular a densidade dessa espécie nesse último período (1,054 indiv. /km2). As densidades de grupos de H. hydrochaeris também foram maiores na seca (dens. cheia = 4,295 ± 0,514 grupos/km2¬¬¬¬¬; ¬¬¬dens. seca  =  6,072 ±0,819 grupos/km2). Com exceção do lobo-guará Chrysocyon brachyurus que teve uma taxa de encontro maior na cheia, todas as demais espécies tiveram um taxa de encontro na seca maior do que na cheia. 

Conclusão
 - Dessa forma, a melhor época do ano para a observação da maioria das espécies parece ser a seca e, essa informação pode ser usada para melhorar a atividade turística. A diversidade de mamíferos é dependente da floresta – foram observadas mais espécies na área de reserva e próximo às bordas de mata do que em outro ecossistema. Essa informação pode ser útil no planejamento do uso da paisagem, considerando a importância dos corredores de florestas nas diferentes atividades das quais as terras no Pantanal são tradicionalmente usadas